<b>O documentário como chave para a nossa memória afetiva</b>

Autores

  • Cássio dos Santos Tomaim

DOI:

https://doi.org/10.1590/rbcc.v32i2.259

Palavras-chave:

Documentário. Memória. Esquecimento. Narrativa. Experiência.

Resumo

Este trabalho visa a propor algumas reflexões de como o documentário, no seu fazer cinematográfico, pode ser a chave para o acesso às nossas memórias afetivas, aquelas que carregam as experiências mais intensas de nossas vidas - acesso que se dá por meio de rastros de um passado que cintila no presente, de acordo com o pensamento do filósofo Walter Benjamin. Baseado em pesquisa bibliográfica, consideramos o documentário como um "lugar de memória", para usarmos um conceito de Pierre Nora. O filme é interpretado como um refúgio em imagens e sons dos traços ou restos de uma memória viva, da "verdadeira imagem do passado". O documentário, portanto, assume a conotação de uma atividade de luto, ou seja, a sua função se assemelha a da história, a de não permitir que estes rastros do passado se apaguem, desapareçam, sejam esquecidos. O documentário nos lembra daquilo que gostaríamos de ter esquecido.

Downloads

Publicado

01-09-2009

Como Citar

TOMAIM, C. dos S. <b>O documentário como chave para a nossa memória afetiva</b>. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 32, n. 2, p. Pág. 53, 2009. DOI: 10.1590/rbcc.v32i2.259. Disponível em: https://revistas.intercom.org.br/index.php/revistaintercom/article/view/259. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos